Wednesday, April 3, 2013

Cartas do Anónimo

É oficial. Ou antes onírico? Real, ou apenas introspectivo almejo de dentro para o mundo? A saudade é um prolongamento do prazer. Dos tempos em que acreditamos ser super-heróis e felizes para sempre. Um sonho acordado de olhos postos para o céu, que é de lá que vem a esperança. Ubíquos somos nós, os crentes. Daqui para ali, de saudade em ramo verde, poisados por pouco tempo na mesma e cansada memória. Para a costa tudo o que é para ir dar à costa, que no mar, fugidos, duramos poucas horas de amar. E se tudo não for mais que uma ilusão, seguida, consecutiva, de imagens sobre imagens, deixemos-nos andar. Ter saudades é bom. Ter saudades é muito bom... Entrem e rompam todas as cortinas que me deixam o sol de fora, a brilhar sem intenção. Façam na minha cabeça acordar campos de papoilas vivas, plantadas pela saudade da felicidade. E cresçam! Cresçam por onde sentirem melhor, que isto de ter saudades de ter saudades, é pior que pena da morte...

1 comment:

Anonymous said...

E pior que a pena de morte,
é ser-se condenado na inocência