Wednesday, January 16, 2013

Cartas do Anónimo

Depois de uma espera incoerente, Max, o herói de uma banda iluminada, agarrou nas botas e, já atrasado, correu para o palco. Reunia todas as condições para ser um grande artista. Sabia atrasar-se propositadamente, misturava drogas e nunca respeitava as datas festivas instituídas pela sociedade. Chegou mesmo a celebrar um Natal, com alguns amigos, no deserto do Saara a 19 de Março. "Vamos começar?" "Olá a todos!" "Hoje trazemos algumas músicas novas." "Umas que já estavam há algum tempo na gaveta e que se lembraram agora de sair para ver se são mais do que letras." "Outras foram compostas na última semana de digressão." "Acho que esta noite podia nem cantar." "O mais provável era ser apedrejado." "É que hoje sinto-me capaz de ser só poeta de palavras e letras." "Mas vocês não iam suportar." "Estou demasiado inspirado." "Ía ser uma puta duma grandessíssima confusão!" "Vai!!!"

1 comment:

Anonymous said...

puta de grandessíssima confusão...