Wednesday, October 24, 2012

Cartas do Anónimo

Ser-se engraçado não tem ciência nenhuma. Basta que nos apareça uma oportunidade de ouro e, já está. Por exemplo, uma audiência de tribunal em que estamos a ser julgados por condução com excesso de álcool. A meio do acto oficioso soltamos um arroto grotesco, daqueles de campeonato de liceu. Pedimos imediatamente muitas desculpas e desculpamo-nos pelo facto da embriaguez ter sido causada pela excessiva ingestão de cerveja, a qual é unanimemente conhecida por criar muito gás no estômago. Esta é uma hipótese. Outra poderia ser, e se a pessoa em causa fosse um homem tanto melhor, explicar ao juiz (ou se fosse uma juíza tanto melhor) que está grávido e que não controla muito bem os seus impulses de eructação. Ou seja, o que à partida poderia ser um problema, quando bem aproveitado torna-se num ganho. E todos nós sabemos que estar em graça não é somente um atributo; é sobretudo uma ocasião. Mas as ocasiões fazem-se. Procuram-se como aqueles forasteiros que invadiram o Alasca à procura do ouro. Conclusão: só há uma forma de encontrarmos a felicidade. Procurando. Por mais difíceis que sejam os caminhos...

3 comments:

Anonymous said...

Ás vezes não percebemos que a felicidade está mesmo ali ao lado...Nem é preciso procurar muito!

Anonymous said...

take off your cool

Anonymous said...

Lá está, até tropeças nela!...