Saturday, April 10, 2010

Guest Box

O espaço que se segue é da inteira responsabilidade do Alfaiate Lisboeta

As bandas sonoras não são só nos filmes, pois não? Elas existem para todo o tipo de momentos das nossas vidas. Para quando andamos felizes, tristes, deprimidos, extasiados ou simplesmente fodidos. Acho que há sinfonias para todas as sensações e estados de alma e sempre tive o reflexo (não tivemos todos?) de associar momentos das nossas vidas a certas melodias, refrãos, etc., etc.
Desde a música do Verão de 1999 (fiz um google ao Bryan Adams na esperança de encontrar entre ele e eu 30 anos de diferença mas acabei de descobrir que aquele homem é um farsa, o gajo tinha 9 anos no Verão de 69) à tarde em que aquela atrasada mental acaba connosco porque acha que lhe comemos a prima (foda-se, no dia em que te quisesse encornar arranjaria certamente uma forma mais subtil de o fazer), ao momento em que recebemos a notícia que entrámos na nossa 1ª opção para a faculdade (eu entrei na 2ª mas o efeito é semelhante), ficámos com o emprego dos nossos sonhos (não faço ideia qual seja mas fiquei sempre contente por ter sido seleccionado para os que já tive), etc., etc. A música está lá, sempre. Como está o Adagio for Strings naquela inesquecível cena do Platoon, o coro da Igreja que o Jim se recusa a esquecer ou a cena final do Cinema Paraíso. Está lá. Sempre. Mas isto é cinema e na minha vida mais que real mastiguei sempre a pastilha do You and Me Song quando estive apaixonado e vivi cada uma das minhas depressões adolescentes (mesmo as transladadas para a idade adulta) ao som da voz do Tommy Yorke. E há aqueles momentos em que regressamos para casa ao final do dia e por algum motivo que desconhecemos e nem sequer desconfiamos estamos felizes. Algo inexplicável parece acontecer enquanto sentimos o vento na cara, ajeitamos o cabelo e mordemos os lábios. Como a felicidade num Domingo. Porque ao Domingo tudo me parece menos divertido de viver que noutro dia qualquer. Porque o que eu mais quero é ser feliz. Sem um motivo. Sê-lo simplesmente e por defeito. E um bom indicador disso mesmo é sorrir a um Domingo.

João. Pediste-me uma música, acho que já referenciei e linkei uma boa meia dúzia. Peco sempre por excesso. Não me perguntes se é defeito ou feitio. Acontece simplesmente. Sempre aconteceu. Mas é esta que eu escolho. Porque amanhã, no rescaldo da vossa festa, é assim que quero estar, com um sorriso de Domingo.

Beirut, Sunday Smile

8 comments:

LEduck said...

Música é Magia... Magia da Vida...

ANÓNIMO said...

What the fuck?! Acústico, ao vivo. Obrigado por teres aparecido...

O Alfaiate Lisboeta said...

João. ainda não me deitei mas o sorriso já vai garantido

Anonymous said...

foda-se que crónica. boas músicas ;)

Vi said...

aiiii, amei este texto, livre e sem pretensões e porque hoje é domingo e em vez dos habituais sorrisos que deixo escapar estou com uma dor de cabeça descomunal este post fez-me sorrir!
xoxo

Mafas said...

"About a Sunday smile and we felt clean".

Boa escolha ;)

Sorriso de Domingo que se prolongou por 2.ª feira. tks*

Bluebluesky said...

Gostoooooo!

Neni said...

Esta música é linda. Deve ser a que mais vezes ouvi em toda a minha vida. Das que fazem rodopiar pela casa, ou dançar sem vergonha no meio da rua...:)