Wednesday, January 27, 2010

Cartas do Anónimo



O tempo ensina-nos que somos mutáveis. Que a verdade de hoje não tem que ser a certeza de amanhã. Como diz, e muito bem, James Bond, nunca digas nunca. Faz-me lembrar uma história que ouvia muito quando era criança: "Se vires um rebuçado no chão nunca o apanhes e comas. Pode ter droga lá dentro e depois já não voltas a ser quem eras"! Para grande infelicidade minha, nunca dei de caras com um rebuçado com invólucro fluorescente e padrão em espirais concêntricas. A única coisa mais alternativa que me lembro de ter encontrado foi um úmero nos arbustos do Parque Eduardo VII. Estranho, porém não continha vestígios de droga (pelo menos que eu me tivesse apercebido). Só mais tarde é que me comecei a aperceber que afinal os rebuçados até ajudavam algumas pessoas a fazer coisas muito interessantes. Foi então que equacionei: Se me aparecer um acho que vou arriscar… E assim foi. Passados quatro anos do seu lançamento, já o rebuçado se tinha fartado de rebolar debaixo dos meus pés, resolvi finalmente prová-lo. E não é que os adultos tinham razão?! Depois de consumir vezes sem conta, num curto espaço de tempo, uma coisa de que tanto desconfiava, o Anónimo declara dependência de Fur and Gold de Bat For Lashes. Aliás, anormal dependência. Será que já não sou o mesmo?..

Bat For Lashes, The Wizard

1 comment:

Mariana said...

Claro que és, meu anormal(zinho)=)