Saturday, November 7, 2009

Guest Box

O espaço que se segue é da inteira responsabilidade de Juvenal, O Anormal

Epistmologia.
É só uma das palavras que não pertence ao meu vocabulário reduzidíssimo. Tento, há anos, incluí-la numa conversa. "Era uma tosta de queijo, um copo de leite e alguma epistmologia, se faz favor". "Isso de golos de canto directo é um bocado do ramo da epistmologia, João". "Não sejas epistmológico ou vou ter de te furar, sócio". Já fui ver ao dicionário. Continuo sem saber. Odeio esforçar-me. Tudo o que quero na vida são nenhumas responsabilidades e um mínimo de esforço possível. Ah, e esperar que o Benicio del Toro morra para eu ser, finalmente, o tipo mais cool walking on the face of the earth. E minis. Muitas minis. Mas nada daquela paneleirice de abertura fácil. Que de fácil não tem nada e acaba por se entornar tudo em cima dos meus sofás de promoção da Sofatini e dos tapetes da Tricana que é a loja quase em frente da casa da minha avó que uma vez ia a estacionar num lugar e não cabia e um gajo da Tricana começa a mandar bocas meio a gozar e a minha avó sai do carro e diz "tenho carta há mais anos que você é nascido. Tem aqui a chave. Estacione." e o gajo acagaçou-se todo e fugiu para dentro da loja. Isto foi em 1989. Consta que ainda lá está, enrolado num persa, um tapete, não um gato. A minha avó era mesmo muito do rock. So, there i was being cool and stuff e vem um tipo ter comigo e diz "opá, tu não és o André?" e eu "wow! Até a minha mãe me pergunta isso quando nos cruzamos no corredor" e ele "wow!" e eu "wow!" e ele "wow!" e eu "wow!" e ele "wow!" e eu "vamos parar com isto que estamos a assustar as pessoas" e estávamos porque passou uma miúda por nós assim e disse "dudes, you're creeping me out!". E parámos. E ele "pagas-me uma bebida?" e eu "pá, não". Mas depois cedi que sou muito fácil. E bebida puxa bebida e ele "wow!" e eu "wow!" e ele "wow!" e eu "wow!" e ele "wow!". E eu não disse nada porque passou a mesma gaja a fazer ares de repulsa. E ele "então tu é que és o André?" e eu "sim, já perguntaste isso umas linhas acima". E disse que gostava muito do meu trabalho e eu disse que também gostava muito do trabalho dele. E vai daí diz-me "queres ir lá ao blog meter uma música?" e eu "não sei se deva, a modéstia não me permite tal coisa" e ele "vá lá" e eu "pá, não sei" e ele "anda lá" e eu "'tá bem" e ele "então qual?" e eu "sobpressaonaoconsigo" e ele "então paga-me uma bebida e já continuamos a falar" e eu, que já tinha dado parte de fácil uma vez e não podia não ser coerente, disse "'tá bem" e virei-me para o tipo do bar, que em vários anos de Incógnito NUNCA ME OFERECEU UMA BEBIDA, TU O DO BIGODE, SIM, PÁ!, e disse "era uma imperial e um coiso com cenas (uma vodka limão, julgo). E vai daí continua a conversa e eu já me começava a baralhar e acho que perdi um bocado a noção do que estava a dizer. E passei o resto do tempo a pensar nisso que foi até hoje e ainda estou a pensar mas o resto que se segue passou-se também nesse dia e não hoje mas eu não sou bom com flashbacks. E nisto começa a dar qualquer coisa e eu digo "dude, tenho de ir lá abaixo ter com a bitch". E devia ser alguma coisa realmente boa porque, next thing i know, acordo à porta de casa com um sapato a menos, a cara no tapete e um bilhete a dizer "não tem vasilhame". Putting the rock bottom in rock bottom since 1977!
Tenho-me esforçado desde então. Esforçado, esforçado, esforçado. Que é coisa que não faço a não ser que implique comer miúdas, beber cerveja ou gastar dinheiro em geral (acho que é o meu dom). E penso"André, qual é a música que mais gostas neste momento? Tu pensa, mulher, pensa". E vai daí it hit me like thunder. Assim como uma espécie de epifania (que é como quem desce do Saldanha ali pela Casal Ribeiro). A música que eu gosto assim mais no momento, e estive entre umas quatro que eu até dizia se fosse gajo de me armar e tivesse algum gosto musical (vá, pronto, como preciso de foder e pode ser que isto impressione alguém que não eu próprio: jackie (scott walker), amsterdam (jacques brel), love me or leave me (billie holiday) é o Rain Dogs do único gajo que come cereais com whisky ao pequeno-almoço. Eu já tentei. E ainda hoje há provas nos Sofatinis de promoção. Porquê? Porque é a música que ponho para aterrar em qualquer sítio. Se acontece qualquer coisa, ao menos posso chegar lá acima e dizer "a tua vida foi um falhanço, André, mas morreste a ouvir uma música do caralho".

Tom Waits, Rain Dogs

7 comments:

PWFH said...

Foda-se o Uncle Tom parte a loiça toda!
Boa escolha Anormal!

Icon said...

ah grande xuvenal!

Rocco said...

Boas influências. Tanto o gajo do texto como o músico. Ainda assim Eu prefiro a Vesoul.

joaninha versus escaravelho said...

Já arranjaste guarda-chuva? Andas a ouvir isso há muito tempo... :/

juvenal, o anormal said...

:D
há mt mesmo:D

caramela said...

Ó gajo do texto,
és mesmo o MELHOR:D

pdah said...

ainda ontem andei um bom bocado a ouvir o tom. sabes que ele é médico? s eo tom diz, é lei. whisky com nestum, por favor.