Wednesday, September 30, 2009

Cartas do Anónimo

Passou despercebido, aliás como ele mesmo em pessoa sem outros nomes ou entidades. E quem já o viu ao vivo sabe do que estou a falar.

Paul Banks is Julian Plenti. Ou melhor, Julian Plenti is Skyscraper.

Isto dito assim de enfiada até pode parecer estranho. Mas não. Faz tudo parte do mesmo criador, do mesmo génio que lançou em conjunto com mais três nova-iorquinos três míticos álbuns sob a insígnia Interpol.

E o que pode parecer ainda mais curioso é que Banks enquanto Plenti já existe há alguns anos. Tocou em acústico do fim dos anos 90 até ao princípio de 2001, e só em 2006 voltou a pegar na sua pessoa a solo. Com a ajuda de outros músicos e do software de gravação Logic Pro, Paul Banks, isto é Julian Plenti, em Agosto de 2009 acaba por lançar o produto final de material que foi redescobrindo e compondo ao longo de todos estes anos.

O resultado não podia ser melhor. Com uma voz cada vez mais madura, arranjos delicados e inteligentes e uma arquitectura de composição muito peculiar, este álbum vem alimentar as almas que vivem do lado escuro mas romântico da vida.

Afinal valeu a pena esperar…

Julian Plenti, Fun That We Have

2 comments:

Mariana said...

Este rapaz tem problemas de identidade... issues! Mas a voz, essa é inconfundível e ainda bem!

ANÓNIMO said...

Todos nós queremos ser também aquilo que não somos. São as chamadas crises existenciais. Faz parte da vida daqueles que pensam muito nela...