Wednesday, December 17, 2008

Guest Box

O espaço que se segue é da inteira responsabilidade do Anónimo:


Numa das minhas deambulações erráticas pela estratosfera musical dei de caras com os Plastic Operator. Foi por acaso. Como tudo o que de bom nos acontece na vida. Vai daí, quando dei por mim já os tinha a tocar repetidamente. Em casa, no carro, a correr, na cama ao deitar... Em todo lado.


Ok. Então primeiro vamos às banalidades. Sim, é parecido com Postal Service. Posto isto, que não me parece ser nada de grave, vamos aos factos interessantes: O inglês Mathieu Gendreu (composição) e o belga Pieter Van Dessel (vocalista) conhecem-se em Londres, na Universidade de Westminster no ano de 2001. Ambos a tirar produção de áudio, depressa chegam à brilhante conclusão que partilham dos mesmos gostos musicais, a escola electrónica pop. Em Junho de 2007 editam o seu disco de estreia que, com grande clareza, revela as origens científicas dos Plastic Operator na forma sintética como molda os bits. Creio que por vezes caímos na veleidade de pensar que o electro-pop se esgota no desencadear de espirais obstinadas, ou que se pode anular em maneirismos kitshes. Errado!

Prova disso é "Different Places", um álbum repleto de referências românticas e dotado de uma subtileza, arriscaria a dizer, quase clássica. Assente numa arquitectura entre o conceptual e o estético, este álbum empurra-nos para um ânimo estival mas sobretudo despretensioso. Não abusa dos vocodes Daft-Punk, esquiva-se airosamente das composições redundantes kraftwerkianas e assume-se como uma alternativa de tabela aos já recuados OMD. Em suma, um momento de grande inspiração poética.

O Anónimo confere! Decididamente uma doce descoberta para ir saboreando ao longo dos dias…

Plastic Operator, Folder

2 comments:

Alminha Mariana said...

é altamente viciante, como os postal service!A alminha gosta!

R2D2 said...

Muito bom Anónimo, muito bom!
Já suscitar paralelismos ou perpendicularismos a OMD ou Kraftwerk, é coisa que fica bem no texto mas de que eu jamais me lembraria.
Boa miúdo!